Buscando reviver a histórica vocação musical da cidade de Ouro Preto (Minas Gerais), Rufo Herrera e Ronaldo Toffolo, associados a um grupo de instrumentistas que integravam o grupo Trilos e o Quarteto Ouro Preto, criaram, no ano de 2000, a Orquestra Experimental da UFOP, hoje Orquestra Ouro Preto. É formada por cerca de 20 músicos, aos quais se associam músicos convidados, em função do repertório a ser executado. Tem como Diretor Artístico e Regente Titular o Maestro Rodrigo Toffolo.

LEGADO

Ao longo de 17 anos de trabalhos ininterruptos, a Orquestra Ouro Preto reúne projetos de grande relevância.

Do repertório dito padrão, comumente executado por orquestras de todo mundo, a projetos de caráter artístico-pedagógico, a Orquestra Ouro Preto vem se destacando como um grupo de câmara de excelência, ao dedicar especial atenção à efervescência cultural da américa Latina, com foco na música brasileira de concerto e nas demais manifestações musicais de países vizinhos, assim como à pesquisa e difusão do repertório vinculado à Escola Mineira de Compositores do Séc. XVII.

A concepção de novos trabalhos no campo da música experimental, rende ao grupo aclamação de público e crítica, ao propor o diálogo entre os universos erudito e popular, formando novos públicos e dinamizando o acesso à música de concerto. Orquestra Ouro Preto – The Beatles, Valencianas – Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto e a recente parceria com o multiartista Antônio Nóbrega são importantes referências.

Em sua circulação anual, está presente em cidades de Minas Gerais e de outros estados brasileiros, realizando também concertos e turnês internacionais em países como Bolívia (Festival Internacional de Música Antiga de Chiquitos), Argentina (Festival Internacional de Música Antiga e Barroco Ibero-americano), Inglaterra (International Beatle Week), Portugal (Turnê Países e Comunidades de Língua Portuguesa e Turnê Valencianas – Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto) e Espanha/Galícia (Turnê Países e Comunidades de Língua Portuguesa).
De seu legado, registra-se:

– O Prêmio da Música Brasileira, como melhor álbum de MPB de 2014 por Valencianas – Alceu Valença e Orquestra Ouro Preto;

– O Prêmio Profissionais da Música 2017, na categoria Orquestras;

– Finalista no Prêmio da Música Brasileira, como Melhor Álbum Erudito, por Latinidade – Música para as Américas;

– A Turnê Países e Comunidades de Língua Portuguesa, em parceria com a Missão do Brasil junto a CPLP, que teve como objetivo a divulgação da música latino-americana de concerto contemporânea;

– A gravação e lançamento do elogiado disco Latinidade – indicado ao prêmio Grammy Latino no ano de 2007;

– O documentário Compositores de Ontem e de Hoje, gravado para a TV France 5, com difusão na Europa e no Brasil, em 2005;

– A gravação e o lançamento dos  CDs e DVDs Oito Estações – Vivaldi e Piazzolla e Orquestra Ouro Preto – The Beatles, Concertos para Cordas – Antonio Vivaldi e Latinidade: Música para as Américas, os dois últimos com distribuição mundial pela Naxos, maior selo de música erudita do mundo.

QUEM SOMOS

PRESENÇA E CIDADES VISITADAS

Minas Gerais:
Ouro Preto e todos os seus distritos
Araxá, Betim, Congonhas do Campo, Conselheiro Lafaiete, Cordisburgo, Curvelo, Diamantina, Ibirité, Itabira, Itabirito, João Monlevade, Juiz de Fora, Lavras, Mariana, Moeda, Olhos D’Água, Ouro Branco, Ponte Nova, Poços de Caldas, São Lourenço, Sarzedo, Uberaba e Viçosa.

Brasil
Capitais
Aracaju (SE). Belo Horizonte (MG), Brasília (DF), Fortaleza (CE), Manaus (AM), Natal (RN), Recife(PE), Rio de Janeiro (RJ), Salvador (BA), São Paulo (SP), São Luís do Maranhão (MA) e Vitória(ES).

Demais Cidades
Alagoinhas (BA), Campos (RJ), Feira de Santana (BA), Itaboraí (RJ), Itajaí (SC), Itapiranga (AM), Macaé (RJ), Magé (RJ), Maricá (RJ), Mossoró (RN), Santos (SP), São Gonçalo (RJ), Ubatuba (SP) e Valença (BA).

Exterior
Bolívia, Argentina, Inglaterra, Portugal e Espanha/Galícia.

IDEOLOGIA

Numa cultura de mercado organizada, como a que impera em nossa atualidade sócio-cultural, fica evidente a urgência de promover fatos referenciais que orientem para a preservação de certos valores imanentes ao desenvolvimento humanístico das novas gerações. Isso sob pena de continuar afundando no vazio ético da passividade conivente, onde tudo nos é oferecido e nada podemos escolher por livre arbítrio e participação criativa: característica essencial da liberdade humana como único e verdadeiro ideal de transferência de um estado elementar para uma condição evolutiva.

Isso implica na convicção de que, atuando na transformação de nosso meio, abrimos o espaço para a transformação do ser humano naturalmente dotado de um potencial, cujo desenvolvimento depende de orientação e estímulo.

Em todas as civilizações que a experiência humana abrange, este papel coube à faculdade da imaginação que estimula a criatividade, que estimula o descobrimento, que estimula a invenção. Eis a espiral que deveria ser base de todo o conhecimento.

Esta forma de entendimento (pensar) poderia evitar que as instituições tendam à prematura obsolescência, repetidoras de procedimentos ultrapassados, e os homens possam superar a eficiência das formigas e das abelhas…

(ressalvo o respeito que essas criaturas nos despertam!).

(Rufo Herrera)

Com foco na pesquisa e valorização de referências musicais, a Orquestra Ouro Preto tem como proposta a oferta de uma programação permanente e o desenvolvimento de repertório diversificado em gênero e época, buscando a formação e a ampliação de público.

ATUAÇÃO

·    A universalidade da música, tendo como base o repertório clássico;
·    O ineditismo e o experimental, mediante o diálogo entre os universos da música clássica e popular.
·    A difusão de obras do repertório histórico da escola mineira de compositores;
·    A latinidade como fonte de identidade e referência, tendo como ênfase a música brasileira;
·    A formação de novos públicos, mediante ação cultural de inserção social.

OBJETIVOS

Coordenação Geral
Ronaldo R. B. Toffolo
Coordenação de Criação
Rufo Herrera
Diretor Artístico e Regente Titular
Mo. Rodrigo Toffolo
Gerente
Flaviano Souza e Silva
Consultor Executivo
Marcos Souza
Gerência de Branding
Estúdio Luiz Abreu
Coordenação de Comunicação
Saulo Rios
Assessoria de Comunicação
Lídia Ferreira

Gestão Financeira
Virgínia Alves Mendonça
Produção Executiva
Ronaldo Vicente Toffolo
Assessoria de Produção
Nilson de Oliveira
Direção de Cena
Paulo Rogério Lage / Palco Produções
Conselho Diretor
Guilherme Estrella
José Arthur Penna
Ronaldo R. B. Toffolo

Rufo Herrera
Rodolfo Marques Toffolo
Rodrigo Angelo Toffolo
Mateus de Castro Machado Freire
Leonardo Lobão Lacerda
Conselho Consultivo
Márcio Mendes – Presidente
João Luíz Martins – Universidade Federal de Santa Catarina
Reinaldo Pinheiro – Fundação Gorceix
Rufo Herrera – Orquestra Ouro Preto
Ronaldo R. B. Toffolo – Orquestra Ouro Preto

FICHA TÉCNICA

OURO PRETO. CIDADE ÍMPAR E SEDE DE UMA ORQUESTRA MÚLTIPLA.