Diário de Bordo 2

By 24 de agosto de 2015Sem categoria

Pensávamos sobre a ancestralidade de suas pedras. Pensávamos a respeito de suas torres anciãs, sobre os infindos e castigados pés que lhes pisaram. Saudávamos a beleza opressora de sua catedral. Santiago de Compostela você não é digna dos peregrinos que lhe adentram. Compostela, seus peregrinos não lhe merecem.

Diamante maior da região da Galícia (Espanha), centro de peregrinação recebedor de milhares de pessoas conduzidas pela fé e pela força de vontade, Santiago de Compostela é circundada por uma intensa aura de misticismo e religiosidade. A cidade túmulo do Apóstolo Thiago, tombada em 1993 como Patrimônio Cultural da Humanidade, recebeu o segundo concerto da Orquestra Ouro Preto pela Turnê Países e Comunidades de Língua Portuguesa. As formas italianas do Teatro Principal, incrustrado no centro histórico de Santiago, foram palco privilegiado para a apresentação que aqueceu um chuvoso e frio 06 de maio da primavera europeia.

Anfitriã e convidada especial daquela noite, a festejada cantora Uxía avisava: “O público galêgo é entusiasta da música e espontâneo, muito parecido com o brasileiro”, premeditando uma grande apresentação. A previsão da trovadora galêga se conformou. Sobre a batuta do Maestro Rodrigo Toffolo, as harmonias emitidas pela Orquestra Ouro Preto amalgamaram-se às vibrações sonoras produzidas pelos sinos que, periodicamente, dobravam nas vertiginosas torres dos templos.

A noite foi marcada ainda por um momento raro. Dona de uma voz comovente e timbre emblemático, Uxía juntou-se ao grupo em duas peças que extasiaram o público presente. Cantora e Orquestra interpretaram Melodia Sentimental de Heitor Villa-Lobos e Unha Noite na Eira do Trigo, dos galegos Curros Enríquez e Mestre Chané. Naquele curto período de tempo, as distâncias geográficas e particularidades culturais que separam Brasil e Galícia deixaram de existir.

No saguão de saída, após longos minutos de aplausos e ovações, uma simpática senhora, acompanhada de seu esposo, comentava em um galêgo de fácil entendimento: “Estou, realmente, surpreendida”.

Por Saulo Rios.

Foto: Naty Tôrres.

 

OOP

About OOP

Leave a Reply